Liturgia diária: 33ª Semana do Tempo Comum – Sábado – 25/11/2017

Primeira leitura: Primeiro Livro dos Macabeus (1Mc 6,1-13)

A morte do opressor –Quando percorria as províncias do planalto, o rei Antíoco ouviu falar que havia na Pérsia uma cidade chamada Elimaida, famosa pela sua riqueza em prata e ouro. Diziam que o templo dessa cidade era muito rico e que havia nele cortinas tecidas de ouro, couraças e armas aí deixadas pelo rei Alexandre, o macedônio, filho de Filipe, que foi o primeiro rei do império grego. Antíoco dirigiu-se para o local, pretendendo tomar e saquear a cidade. Mas não conseguiu, porque o pessoal da cidade, sabendo da sua pretensão, preparou-se para a guerra e o enfrentou. Antíoco teve de fugir, e foi com grande tristeza que deixou o lugar, a fim de voltar para a Babilônia. Ele ainda estava na Pérsia, quando recebeu a notícia de que as tropas enviadas contra a Judéia tinham sido derrotadas e que Lísias tinha tomado a iniciativa de enfrentar os judeus com poderoso exército, mas teve de recuar. Soube também que os judeus ficavam mais perigosos por causa da quantidade de armas, além de outros recursos e despojos que tomavam dos exércitos que iam derrotando. Contaram também que os judeus tinham tirado a abominação que ele colocara sobre o altar de Jerusalém, e que tinham cercado o Templo com muralhas altas como antigamente, fazendo o mesmo em Betsur, cidade que pertencia ao rei. Ao ouvir essas notícias, o rei ficou apavorado e totalmente atordoado, e caiu de cama, doente de tristeza, pois nada estava acontecendo como ele queria. Ficou aí muito tempo, cada vez mais deprimido. Percebendo que ia morrer, chamou todos os grandes e lhes disse: “O sono sumiu dos meus olhos, meu coração está abatido de tanta aflição. Eu disse a mim mesmo: ‘A que grau de aflição me vejo reduzido! Como é grande a onda em que estou me debatendo. Eu que era feliz e estimado quando estava no poder! Agora, porém, estou lembrando os males que fiz a Jerusalém, de onde tirei todos os objetos de prata e ouro que nela havia. Lembro-me dos habitantes de Judá que mandei matar sem motivo. Reconheço que é por causa de tudo isso que hoje me acontecem essas desgraças. Agora estou morrendo, cheio de tristeza e em terra estrangeira’ “.

Opinião – o rei todo poderoso começa a perder seus poderes e diante dessa mudança adoece de tristeza, pois as coisas já não são mais como ele queria. Nesse momento de tristeza ele percebe os erros que cometeu anteriormente, e já prepara o seu sucessor, pois sabe que não terás mais futuro agora que as mudanças contrarias a ele já estão ocorrendo. Devemos nos arrepender dos nossos erros e procurar viver corretamente antes que seja tarde demais para nós, para que possamos viver ainda plenamente, cientes dos erros que cometemos, mas também ciente de que não os cometeremos mais.

Salmo responsório (9A)

— Cantarei de alegria, ó Senhor, pois me livrastes!

Cantarei de alegria, ó Senhor, pois me livrastes!

— Senhor, de coração vos darei graças, as vossas maravilhas cantarei! Em vós exultarei de alegria, cantarei ao vosso nome, Deus Altíssimo!

Cantarei de alegria, ó Senhor, pois me livrastes!

— Voltaram para trás meus inimigos, perante vossa face pereceram. Repreendestes as nações, e os maus perdestes, apagastes o seu nome para sempre.

Cantarei de alegria, ó Senhor, pois me livrastes!

— Os maus caíram no buraco que cavaram, nos próprios laços foram presos os seus pés. Mas o pobre não será sempre esquecido, nem é vã a esperança dos humildes.

Cantarei de alegria, ó Senhor, pois me livrastes!

Opinião – devemos dar Graças a Deus sempre que sua luz, proteção, interagir em nossas vidas e nos mostrar as escolhas corretas. Devemos ser fieis na fé, e estarmos sempre de olhos e ouvidos abertos para as orientações de Deus.

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas (Lc 20,27-40)

Deus comprometido com a vida –Os saduceus afirmam que não existe ressurreição. Alguns deles se aproximaram de Jesus, e lhe propuseram este caso: Mestre, Moisés escreveu para nós: ‘Se alguém morrer, e deixar a esposa sem filhos, o irmão desse homem deve casar-se com a viúva, a fim de que possam ter filhos em nome do irmão que morreu’. Ora, havia sete irmãos. O primeiro casou e morreu, sem ter filhos. Também o segundo e o terceiro casaram-se com a viúva. E assim os sete. Todos morreram sem deixar filhos. Por fim, morreu também a mulher. E agora? Na ressurreição, de quem a mulher vai ser esposa? Todos os sete se casaram com ela!” Jesus respondeu: “Nesta vida, os homens e as mulheres se casam, mas os que Deus julgar dignos da ressurreição dos mortos e de participar da vida futura, não se casarão mais, porque não podem mais morrer, pois serão como os anjos. E serão filhos de Deus, porque ressuscitaram. E que os mortos ressuscitam, já Moisés indica na passagem da sarça, quando chama o Senhor de ‘o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó’. Deus não é Deus de mortos, mas de vivos, pois todos vivem para ele.” Alguns doutores da Lei disseram a Jesus: “Foi uma boa resposta, Mestre.” E ninguém mais tinha coragem de perguntar coisa nenhuma a Jesus.

Opinião – Jesus veio para quebrar as correntes que controlavam a sociedade daquela época, mas mesmo assim o povo continua querendo aplicar os novos ensinamentos de Jesus nas mesmas regras e situações antigas. Aqui questionam quem será esposo de quem após a ressurreição, como se algo do passado defini-se o futuro, mas Jesus explica que isso não terá mais importância. O Importante é a realização através do Conhecimento de Deus, quando vivemos plenamente ele, não temos mais essa necessidade e ansiedade de premio em outra vida, pois ficamos realizados com cada dia nosso.

Na homilia de hoje o Padre Roger Araújo trabalha justamente essa ideia de que a vida eterna é diferente da vida terrena, não podemos tentar comparar uma a outra, e que a nossa vida eterna já começa agora, hoje, com a aceitação de coração das luzes de Deus

Um bom sábado a todos.

Textos leituras: Bíblia Sagrada – edição Pastoral – Editora Paulus 1990, 65º impressão
Disponível em: http://www.paulus.com.br/biblia-pastoral/_INDEX.HTM

Salmo: Canção nova. Disponível em https://liturgia.cancaonova.com/liturgia/33a-semana-tempo-comum-sabado/?sDia=25&sMes=11&sAno=2017

Liturgia Diária: 26ª Semana do Tempo Comum – Quinta-feira – 05/10/2017

Primeira Leitura: Livro de Neemias (Nm 8,1-4a.5-6.7b-12)

Todo o povo, como se fosse uma única pessoa, se reuniu na praça que fica em frente à porta das Águas. O povo pediu que Esdras, doutor da Lei, levasse o livro da Lei de Moisés, que Javé tinha dado a Israel. Então o sacerdote Esdras levou o livro da Lei até a presença da assembleia. Era o dia primeiro do sétimo mês, e estavam reunidos homens, mulheres e todos os que tinham uso da razão. Na praça diante da porta das Águas, desde o amanhecer até o meio-dia, Esdras leu o livro para todos os homens e mulheres e para todos os que tinham o uso da razão. Todo o povo seguia com atenção a leitura do livro da Lei.

Esdras, doutor da Lei, estava sobre um palanque de madeira, feito para a ocasião. Esdras abriu o livro à vista do povo todo, pois estava em lugar mais alto. Quando ele abriu o livro, o povo ficou de pé. Esdras bendisse a Javé, o grande Deus, e todo o povo, com as mãos erguidas, respondeu: “Amém! Amém!” Depois se ajoelharam e se prostraram com o rosto por terra diante de Javé.

Os levitas explicavam a Lei para o povo, que permanecia em pé. Liam o livro da Lei de Deus, traduzindo-o e dando explicações, para que o povo entendesse a leitura. O governador Neemias, o sacerdote Esdras, doutor da Lei, e os levitas que instruíam o povo, vendo que as pessoas choravam ao escutar a leitura da Lei, disseram: “Hoje é dia consagrado a Javé, Deus de vocês! Não fiquem tristes e parem de chorar!” Em seguida, Esdras falou: “Vão para casa, façam uma bela refeição, bebam um bom vinho e repartam com os que não têm nada, porque hoje é dia consagrado a nosso Senhor. Ninguém fique triste, pois a alegria de Javé é a força de vocês”. Os levitas também acalmavam o povo, dizendo: “Fiquem tranquilos, porque é dia santo. Não fiquem tristes”. E o povo foi para casa comer e beber. Repartiram com quem não tinha nada e fizeram uma grande festa, porque haviam compreendido a mensagem que lhes fora explicada.

Opinião – passagem que demonstra características da época, como a aglomeração das pessoas em datas especificas para ouvirem a palavra de Deus, era uma época onde obras escritas eram caríssimas, difíceis de serem conseguidas e por isso muitos da população não sabiam ler, logo era necessário que uma figura estudara, uma pessoa letrada lesse para as pessoas, e essas ouviam com muita atenção, pois era a única maneira de terem acesso a esse conhecimento.

Salmo Responsório (Sl 18)

— Os ensinos do Senhor são sempre retos, alegria ao coração.

Os ensinos do Senhor são sempre retos, alegria ao coração.

— A lei do Senhor Deus é perfeita, conforto para a alma! O testemunho do Senhor é fiel, sabedoria dos humildes.

Os ensinos do Senhor são sempre retos, alegria ao coração.

— Os preceitos do Senhor são precisos, alegria ao coração. O mandamento do Senhor é brilhante, para os olhos é uma luz.

Os ensinos do Senhor são sempre retos, alegria ao coração.

— É puro o temor do Senhor, imutável para sempre. Os julgamentos do Senhor são corretos e justos igualmente.

Os ensinos do Senhor são sempre retos, alegria ao coração.

— Mais desejáveis do que o ouro são eles, do que o ouro refinado. Suas palavras são mais doces que o mel, que o mel que sai dos favos.

Os ensinos do Senhor são sempre retos, alegria ao coração.

Opinião – salmo que ressalta as características do Conhecimento da Palavra de Deus, ressaltando como é natural, interno e alegre.

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas (Lc 10,1-12)

Os anunciadores do Reino – O Senhor escolheu outros setenta e dois discípulos, e os enviou dois a dois, na sua frente, para toda cidade e lugar aonde ele próprio devia ir. E lhes dizia: “A colheita é grande, mas os trabalhadores são poucos. Por isso peçam ao dono da colheita que mande trabalhadores para a colheita. Vão! Estou enviando vocês como cordeiros para o meio de lobos. Não levem bolsa, nem sacola, nem sandálias, e não parem no caminho, para cumprimentar ninguém. Em qualquer casa onde entrarem, digam primeiro: ‘A paz esteja nesta casa!’ Se aí morar alguém de paz, a paz de vocês irá repousar sobre ele; se não, ela voltará para vocês. Permaneçam nessa mesma casa, comam e bebam do que tiverem, porque o trabalhador merece o seu salário. Não fiquem passando de casa em casa. Quando entrarem numa cidade, e forem bem recebidos, comam o que servirem a vocês, curem os doentes que nela houver. E digam ao povo: ‘O Reino de Deus está próximo de vocês!’ Mas quando vocês entrarem numa cidade, e não forem bem recebidos, saiam pelas ruas e digam: ‘Até a poeira dessa cidade, que se grudou em nossos pés, nós sacudimos contra vocês. Apesar disso, saibam que o Reino de Deus está próximo’. Eu lhes afirmo: no dia do julgamento, Deus será mais tolerante com Sodoma do que com tal cidade.

Opinião – trecho onde é informado como Jesus orientava não somente aos 12 apóstolos mas também a outra discípulos a ir e propagar a palavra de Deus, ressaltando que deveriam tratar todos bem, mas caso fossem mal tratados que deixassem claramente o erro que quem os assim recebia estavam cometendo.

Na homilia de hoje o Padre Roger Araújo expande a ideia de como nós devemos espalhar a boa nova de Deus, de onde eu destaco o seguinte trecho: “Somos a presença, a graça, a luz, o ânimo e a fortaleza de Deus no meio de um mundo cansado, desanimado, muitas vezes, sem perspectivas. Somos a presença amorosa de Deus onde o ódio e outros valores estão se sobressaindo.”

Uma boa noite a todos

Textos leituras: Bíblia Sagrada – edição Pastoral – Editora Paulus 1990, 65º impressão
Disponível em: http://www.paulus.com.br/biblia-pastoral/_INDEX.HTM

Salmo: Canção nova. Disponível em https://liturgia.cancaonova.com/liturgia/26a-semana-tempo-comum-quinta-feira/?sDia=5&sMes=10&sAno=2017

Liturgia diária: 25ª Semana do Tempo Comum – Terça-feira – 26/09/2017

Primeira Leitura: Livro de Esdras (Esd 6,7-8.12b.14-20)

Naqueles dias, o rei Dario escreveu ao governador do território da outra margem do rio Eufrates: “Deixa que prossigam os trabalhos no templo de Deus. Que o governador de Judá e os anciãos dos judeus edifiquem a casa de Deus no seu lugar.

Também ordenei como se deve proceder com aqueles anciãos dos judeus que constroem aquela casa de Deus: com os bens do rei, deveis reembolsar religiosamente e sem interrupção aqueles homens por tudo o que gastarem. Eu, Dario, dei esta ordem. Que ela seja pontualmente executada!”

E os anciãos dos judeus continuaram a construir, com êxito, de acordo com a profecia de Ageu, o profeta, e de Zacarias, filho de Ado, e puderam terminar a construção conforme a ordem do Deus de Israel e as ordens de Ciro, de Dario e de Artaxerxes, reis da Pérsia. Esta casa de Deus foi concluída no terceiro dia do mês de Adar, no sexto ano do reinado de Dario.

Os filhos de Israel, os sacerdotes, os levitas e o resto dos repatriados, celebraram com alegria a dedicação desta casa de Deus. Ofereceram, para a inauguração desta casa de Deus, cem touros, duzentos carneiros, quatrocentos cordeiros e, como sacrifício pelo pecado de todo o Israel, doze bodes, segundo o número das tribos de Israel.

Estabeleceram também os sacerdotes, segundo suas categorias, e os levitas, segundo suas classes, para o serviço de Deus, em Jerusalém, como está escrito no livro de Moisés.

Os deportados celebraram a Páscoa no dia catorze do primeiro mês. Como todos os levitas se haviam purificado, juntamente com os sacerdotes, estavam puros; e, assim, imolavam a Páscoa para todos os filhos do cativeiro, para os sacerdotes seus irmãos e para eles próprios.

Opinião – passagem bíblica da reconstrução do Templo de Deus em Jerusalém e o impacto na sociedade da época.

Salmo responsório (Sl 121)

— Que alegria, quando me disseram: “Vamos à casa do Senhor!”

— Que alegria, quando me disseram: “Vamos à casa do Senhor!”

— Que alegria, quando ouvi que me disseram: “Vamos à casa do Senhor!” E agora nossos pés já se detêm, Jerusalém, em tuas portas.

— Que alegria, quando me disseram: “Vamos à casa do Senhor!”

— Jerusalém, cidade bem edificada num conjunto harmonioso; para lá sobem as tribos de Israel, as tribos do Senhor.

— Que alegria, quando me disseram: “Vamos à casa do Senhor!”

— Para louvar, segundo a lei de Israel, o nome do Senhor. A sede da justiça lá está e o trono de Davi.

— Que alegria, quando me disseram: “Vamos à casa do Senhor!”

Opinião – salmo para nos lembrar de darmos graças por podermos voltar a Casa de Deus, lembrando que por muito tempo a simples menção de queremos ir até ele era considerada um crime. Que tenhamos fé e estejamos preparados para evitar que esses tempos voltem.

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas (Lc 8,19-21)

Naquele tempo,a mãe e os irmãos de Jesus aproximaram-se, mas não podiam chegar perto dele, por causa da multidão. Então anunciaram a Jesus: “Tua mãe e teus irmãos estão aí fora e querem te ver”. Jesus respondeu: “Minha mãe e meus irmãos são aqueles que ouvem a Palavra de Deus, e a põem em prática”.

Opinião – Jesus veio para quebrar as regras de uma sociedade cabeça dura e com corações de pedra: aqui ele mostra que além dos laços familiares, há também os laços de fé, criando uma família composta por aqueles que seguem a Palavra de Deus.

O Padre Roger Araújo expande essa ideia da Família de Deus estar além dos laços de sangue ou criação na homilia de hoje.

Boa noite a todos.

Textos leituras: Bíblia Sagrada – edição Pastoral – Editora Paulus 1990, 65º impressão
Disponível em: http://www.paulus.com.br/biblia-pastoral/_INDEX.HTM

Salmo: Canção nova. Disponível em http://liturgia.cancaonova.com/liturgia/25a-semana-tempo-comum-terca-feira/?sDia=26&sMes=09&sAno=2017

Liturgia diária: Exaltação da Santa Cruz – Quinta-feira – 14/09/2017

Primeira leitura: Livro dos Números (Nm 21,4-9)

O sinal da salvação – Do monte Hor, eles tomaram o caminho para o mar Vermelho, contornando o território de Edom. Mas o povo não suportou a viagem e começou a murmurar contra Deus e contra Moisés, dizendo: “Por que nos tiraram do Egito? Foi para morrermos neste deserto? Não temos nem pão nem água, e estamos enjoados desse pão de miséria”.

Então Javé mandou contra o povo serpentes venenosas que os picavam, e muita gente de Israel morreu. O povo disse a Moisés: “Pecamos, falando contra Javé e contra vocês. Suplique a Javé que afaste de nós estas serpentes”. Moiśes suplicou  a Javé pelo povo. e Javé lhe respondeu: “Faça uma serpente venenosa e coloque-a sobre um poste: quem for mordido e olhar para ela, ficará curado”. Então Moisés fez uma serpente de bronze e a colocou no alto de um poste. Quando alguém era mordido por uma serpente, olhava para a serpente de bronze e ficava curado.

Opinião – assim como o povo no Egito, nós somos imediatistas, egoístas e mimados, queremos as coisas do nosso jeito, no nosso tempo. Mas na vida nem sempre é assim, por vezes vamos passar por momentos difíceis, e temos que permanecer na fé e na esperança do Caminho que o Conhecimento da Palavra nos mostra.

Salmo responsório (Sl 77)

– Das obras do Senhor, ó meu povo, não te esqueças!

Das obras do Senhor, ó meu povo, não te esqueças!

– Escuta, ó meu povo, a minha Lei, ouve atento as palavras que eu te digo; abrirei a minha boca em parábolas, os mistérios do passado lembrarei.

Das obras do Senhor, ó meu povo, não te esqueças!

– Quando os feria, eles então o procuravam, convertiam-se correndo para ele; recordavam que o Senhor é sua rocha e que Deus, seu Redentor, é o Deus Altíssimo.

Das obras do Senhor, ó meu povo, não te esqueças!

– Mas apenas o honravam com seus lábios e mentiam ao Senhor com suas línguas; seus corações enganadores eram falsos e, infiéis, eles rompiam a Aliança.

Das obras do Senhor, ó meu povo, não te esqueças!

– Mas o Senhor, sempre benigno e compassivo, nãos os matava e perdoava seu pecado; quantas vezes dominou a sua ira e não deu largas a vazão do seu furor.

Das obras do Senhor, ó meu povo, não te esqueças!

Opinião – nos momentos difíceis, onde estamos com pensamentos atrapalhados, quando as dificuldades estão vencendo agente, vamos nos lembrar dos feitos do Senhor em nossa vida, e mantermos isso como inspiração, como força de vontade para superar os problemas atuais.

Evangelho de Jesus Cristo segundo São João (Jo 3,13-17)

Ninguém subiu ao céu, a não ser aquele que desceu do céu: o Filho do Homem. Assim como Moiśes levantou a serpente no deserto, do mesmo modo é preciso que o Filho do Homem seja levantado. Assim, todo aquele que acreditar nele terá vida eterna.”

Jesus provoca decisão – “Pois Deus amou de tal forma o mundo, que entregou o seu Filho único, para que todo o que nele acredita não morra, mas tenha vida eterna. De fato, Deus enviou o seu filho ao mundo, não para condenar o mundo, e sim para que o mundo seja salvo por meio dele.

Opinião – Jesus Cristo morreu pelos nossos pecados, para se tornar um exemplo de como devemos viver, a vida eterna é uma vida plena, saudável, correta, que podemos atingir se procurarmos sempre seguir o exemplo que Jesus trouxe, ele tinha o Conhecimento e não guardou para si, mas sim espalhou a Palavra de Deus, permitindo que não só ele vive-se uma vida correta, mas qualquer um que lhe desse ouvidos e acredita-se nele.

Na homilia de hoje o Padre Roger Araújo exalta a figura da Cruz, não pela cruz em si, mas pelo fato dela junto de Cristo Crucificado representar o nosso guia para uma vida correta, completa, direita.

Uma boa noite a todos.

Textos leituras: Bíblia Sagrada – edição Pastoral – Editora Paulus 1990, 65º impressão
Disponível em: http://www.paulus.com.br/biblia-pastoral/_INDEX.HTM

Salmo: Canção nova. Disponível em http://liturgia.cancaonova.com/liturgia/exaltacao-da-santa-cruz-quinta-feira/?sDia=14&sMes=09&sAno=2017