Liturgia diária: 27ª Semana do Tempo Comum – Segunda-feira – 09/10/2017

Primeira leitura: Profecia de Jonas (Jn 1,1-2,1.11)

Com Deus não se brinca… – A palavra de Javé foi dirigida a Jonas, filho de Amati, ordenando: “Levante-se e vá a Nínive, a grande cidade, e anuncie aí que a maldade dela chegou até mim”. Jonas partiu, então, com intenção de escapar da presença de Javé, fugindo para Társis. Desceu até Jope e aí encontrou um navio de saída para Társis. Pagou a passagem e embarcou, a fim de ir com eles até Társis, para escapar assim da presença de Javé.

Javé, porém, mandou sobre o mar um vento forte, que provocou uma grande tempestade e ondas violentas. E o navio estava a ponto de naufragar.

Os marinheiros começaram a ficar com medo e a rezar cada um ao seu próprio deus. Jogaram no mar a carga que estava no navio, a fim de diminuir-lhe o peso. Jonas, porém, tinha descido ao porão do navio e, deitado, dormia a sono solto. O capitão, ao chegar aonde ele estava, disse-lhe: “O que você faz aí dormindo? Levante-se e invoque o seu Deus. Quem sabe ele se lembra de nós e não nos deixa morrer”.

Depois disseram uns aos outros: “Vamos tirar sorte para ver quem é o culpado dessa desgraça que nos está acontecendo”. Tiraram a sorte, e ela caiu em Jonas. Então lhe perguntaram: “Conte para nós por que é que nos está acontecendo essa desgraça. Qual é a sua profissão? De onde você vem? Qual é a sua terra? De que povo é você?” Jonas respondeu: “Eu sou hebreu. Eu adoro a Javé, Deus do céu, que fez o mar e a terra”.

Os marinheiros ficaram com medo, e lhe perguntaram: “O que foi que você fez?” Eles tinham percebido que Jonas estava fugindo da presença de Javé, pois ele próprio lhes tinha contado tudo. E perguntaram: “O que é que vamos fazer com você, para que o mar se acalme?” Pois o mar estava cada vez mais bravo. Jonas respondeu: “É só vocês me pegarem e me atirarem ao mar, que ele se acalmará em volta de vocês; eu sei que foi por minha causa que lhes veio essa tempestade tão violenta”.

Os homens tentavam remar, a fim de chegar mais perto da terra firme, mas não conseguiam, pois o mar ia ficando cada vez mais agitado, ventando contra eles. Então invocaram a Javé, dizendo: “Ah! Javé! Não queremos morrer por causa deste homem. Não lances contra nós a culpa de um sangue inocente. Tu és Javé e fazes tudo o que desejas”.

Pegaram Jonas e o jogaram ao mar. Imediatamente o mar acalmou a sua fúria. Daí para frente aqueles homens começaram a temer muito a Javé, oferecendo-lhe sacrifícios e fazendo votos.

…pois de Deus vem a salvação – Javé enviou um peixe bem grande para que engolisse Jonas. E Jonas ficou no ventre do peixe três dias e três noites.Então Javé mandou que o peixe vomitasse Jonas em terra firme.

Opinião – ação e reação. Jonas recebeu um pedido de Deus e tentou fugir de sua recém recebida responsabilidade, e por isso foi punido, porém teve consciência que a punição era devido ao seu erro e a aceitou, encarando de frente, essa admissão e a humildade de pedir clemencia a Deus salvaram a vida de Jonas, e o mesmo serviu de exemplos para outros.

Responsório (Jn 2,2-8)

— Retirastes minha vida do sepulcro, ó Senhor!

Retirastes minha vida do sepulcro, ó Senhor!

— Do fundo do abismo, do ventre do peixe, Jonas rezou ao Senhor, o seu Deus, a seguinte oração:

Retirastes minha vida do sepulcro, ó Senhor!

— Na minha angústia clamei por socorro, pedi vossa ajuda do mundo dos mortos e vós me atendeste.

Retirastes minha vida do sepulcro, ó Senhor!

— Senhor, me lançastes no seio dos mares, cercou-me a torrente, vossas ondas passaram com furor sobre mim.

Retirastes minha vida do sepulcro, ó Senhor!

— Então, eu pensei: eu fui afastado para longe de vós; nunca mais hei de ver vosso Templo sagrado.

Retirastes minha vida do sepulcro, ó Senhor!

— E quando minhas forças em mim acabavam, do Senhor me lembrei, chegando até vós a minha oração.

Retirastes minha vida do sepulcro, ó Senhor!

Opinião – foi com esse tipo de oração que Jonas admitiu seu erro, se prostrou humilde diante do poder de Deus e solicitou o seu auxilio. Que tenhamos a consciência e a humildade para admitir nossos erros e tentarmos reparar eles de coração antes de solicitarmos o auxilio de Deus, que nos tornemos responsáveis por nossos atos.

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas (Lc 10,25-37)

O amor é prática concreta – Um especialista em leis se levantou, e, para tentar Jesus perguntou: “Mestre, o que devo fazer para receber em herança a vida eterna?” Jesus lhe disse: “O que é que está escrito na Lei? Como você lê?” Ele então respondeu: “Ame o Senhor, seu Deus, com todo o seu coração, com toda a sua alma, com toda a sua força e com toda a sua mente; e ao seu próximo como a si mesmo.” Jesus lhe disse: “Você respondeu certo. Faça isso, e viverá!” Mas o especialista em leis, querendo se justificar, disse a Jesus: “E quem é o meu próximo?” Jesus respondeu: “Um homem ia descendo de Jerusalém para Jericó, e caiu nas mãos de assaltantes, que lhe arrancaram tudo, e o espancaram. Depois foram embora, e o deixaram quase morto. Por acaso um sacerdote estava descendo por aquele caminho; quando viu o homem, passou adiante, pelo outro lado. O mesmo aconteceu com um levita: chegou ao lugar, viu, e passou adiante, pelo outro lado. Mas um samaritano, que estava viajando, chegou perto dele, viu, e teve compaixão. Aproximou-se dele e fez curativos, derramando óleo e vinho nas feridas. Depois colocou o homem em seu próprio animal, e o levou a uma pensão, onde cuidou dele. No dia seguinte, pegou duas moedas de prata, e as entregou ao dono da pensão, recomendando: ‘Tome conta dele. Quando eu voltar, vou pagar o que ele tiver gasto a mais’.” E Jesus perguntou: “Na sua opinião, qual dos três foi o próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes?” O especialista em leis respondeu: “Aquele que praticou misericórdia para com ele.” Então Jesus lhe disse: “Vá, e faça a mesma coisa.”

Opinião – Jesus nessa passagem demonstra que não temos que ter nada em comum com o próximo para que ele seja digno de nosso auxilio, mas sim que devemos ajudar todos aqueles que precisarem, por mais diferente de nós que eles sejam.

O Padre Roger Araújo na homilia de hoje cita a importância de amarmos a Deus antes de tudo, pois assim os nossos outros amores da vida vão se ordenando, se alinhando, não ficando uma bagunça, uma disputa interna em nós, onde não sabemos exatamente o que queremos amar. Começando amando a Deus e todos os outros amores ficaram em seu lugar e ordem corretamente.

Uma boa noite a todos.

Textos leituras: Bíblia Sagrada – edição Pastoral – Editora Paulus 1990, 65º impressão
Disponível em: http://www.paulus.com.br/biblia-pastoral/_INDEX.HTM

Salmo: Canção nova. Disponível em https://liturgia.cancaonova.com/liturgia/27a-semana-tempo-comum-segunda-feira/?sDia=9&sMes=10&sAno=2017