Liturgia diária: 26ª Semana do Tempo Comum – Quarta-feira – 04/10/2017

Primeira Leitura: Livro de Neemias (2,1-8)

No mês de Nisã do vigésimo ano do reinado de Artaxerxes, como era eu o responsável pela bebida, peguei o vinho e fui servir ao rei. Eu nunca me apresentara triste na presença dele. Então o rei me perguntou: “Por que você está com o rosto abatido? Você não está doente, mas tem o coração angustiado”. Eu me assustei, mas respondi ao rei: “Viva o rei para sempre! Como não iria ficar triste, quando a cidade onde estão enterrados os meus antepassados está em ruínas e suas portas devoradas pelo fogo?” O rei então me disse: “O que você gostaria de fazer?” Rezei ao Deus do céu, e respondi: “Se Vossa Majestade concorda e está satisfeito com o seu servo, deixe-me ir para Judá, a fim de reconstruir a cidade onde estão enterrados os meus antepassados”. O rei e a rainha, que estava sentada ao lado dele, me perguntaram: “Quanto tempo vai durar a sua viagem? Quando voltará?” Marquei uma data. O rei concordou e me deixou ir. Então acrescentei: “Se Vossa Majestade estiver de acordo, dê-me cartas de recomendação para os governadores da região ocidental do rio Eufrates, a fim de que me facilitem a viagem até Judá. Dê-me também uma carta para Asaf, guarda do parque florestal do rei, a fim de que ele me forneça a madeira necessária para reformar as portas da fortaleza do Templo, as portas da muralha e também a casa onde vou morar”. O rei me deu as cartas, porque a mão bondosa do meu Deus estava do meu lado.

Opinião – passagem histórica, onde é descrito o processo de pela honestidade de Neemias com seu Rei o mesmo é liberado a ir reconstruir sua terra e ainda recebe privilégios do Rei para realizar seu desejo. Isso ocorre pois Neemias tem fé em Deus de que reconstruir sua terra é o que ele deve fazer naquele momento, e por isso o Rei o liberta de seu compromisso pelo tempo necessário para atingir o objetivo e ainda garante a ele certos privilégios que somente um rei da época poderia, tudo pois o rei também esta sendo iluminado por Deus.

Salmo Responsório (Sl 136)

— Que se prenda a minha língua ao céu da boca, se de ti Jerusalém, eu me esquecer!

Que se prenda a minha língua ao céu da boca, se de ti Jerusalém, eu me esquecer!

— Junto aos rios da Babilônia nos sentávamos chorando, com saudades de Sião. Nos salgueiros por ali penduramos nossas harpas.

Que se prenda a minha língua ao céu da boca, se de ti Jerusalém, eu me esquecer!

— Pois foi lá que os opressores nos pediram nossos cânticos; nossos guardas exigiam alegria na tristeza: “Cantai hoje para nós algum canto de Sião!”

Que se prenda a minha língua ao céu da boca, se de ti Jerusalém, eu me esquecer!

— Como havemos de cantar os cantares do Senhor numa terra estrangeira? Se de ti, Jerusalém, algum dia eu me esquecer, que resseque a minha mão!

Que se prenda a minha língua ao céu da boca, se de ti Jerusalém, eu me esquecer!

— Que se cole a minha língua e se prenda ao céu da boca, se de ti não me lembrar! Se não for Jerusalém minha grande alegria!

Que se prenda a minha língua ao céu da boca, se de ti Jerusalém, eu me esquecer!

Opinião – salmo com o tipo de expressão da época, onde o castigo era extremo para qualquer transgressão, por isso a repetição de que a língua deve colar ao céu da boca caso eu me esqueça de Jerusalém, isso representa um castigo penoso por nos esquecermos de Jerusalém, a cidade dos filhos de Deus, nossa origem, nossa raiz. Não devemos esquecer da nossa origem de fé, não necessariamente um pedaço de terra em algum local, mas sim a ideologia que ela representa.

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas (Lc 9,57-62)

Os primeiros passos do discípulo – Enquanto iam andando, alguém no caminho disse a Jesus: “Eu te seguirei para onde quer que fores.” Mas Jesus lhe respondeu: “As raposas têm tocas e os pássaros têm ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde repousar a cabeça.” Jesus disse a outro: “Siga-me.” Esse respondeu: “Deixa primeiro que eu vá sepultar meu pai.” Jesus respondeu: “Deixe que os mortos sepultem seus próprios mortos; mas você, vá anunciar o Reino de Deus.” Outro ainda lhe disse: “Eu te seguirei, Senhor, mas deixa primeiro que eu vá me despedir do pessoal de minha casa.” Mas Jesus lhe respondeu: Quem põe a mão no arado e olha para trás, não serve para o Reino de Deus.”

Opinião – nessa passagem é mostrado que devemos realmente deixar nosso meio de vida mundano para trás quando decidimos seguir o Caminho que a Luz da Palavra nos mostra, tradições devem ser quebradas, modos devem ser alterados, tudo para termos uma vida plena, completa, utilizando totalmente a dádiva de Deus que é nossa vida.

Na homilia de hoje o Padre Roger Araújo expande essa ideia de deixarmos a vida atual para traz, de onde destaco essa passagem: “Veja, quem põe a mão no arado para trabalhar, põe o afinco, a alma, o coração, todo o seu ser para realizar aquilo. Não vive de um futuro que não chegou nem de um passado que já passou.” Se decidirmos aceitar de coração a Palavra de Deus, que seja com todo nosso empenho, com toda nossa vontade, não façamos nada dessa vida com menos do que nosso esforço total.

Uma boa noite a todos

Textos leituras: Bíblia Sagrada – edição Pastoral – Editora Paulus 1990, 65º impressão
Disponível em: http://www.paulus.com.br/biblia-pastoral/_INDEX.HTM

Salmo: Canção nova. Disponível em https://liturgia.cancaonova.com/liturgia/26a-semana-tempo-comum-quarta-feira/?sDia=4&sMes=10&sAno=2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.