Manual de Epicteto – Enchiridion – 32

XXXII. Quando você recorrer a adivinhação, lembre-se que você sabe não qual evento ocorrerá, e que você veio a descobrir através do adivinho; mas qual a origem desse evento você ira saber antes de ir ao adivinho, ao menos se você for um filosofo.

Pois se isso esta dentre as coisas que você não tem controle, ela não pode ser por qualquer motivo boa ou ruim.

Não, portanto, leve qualquer desejo ou aversão com você quando for ao adivinho (do contrario você irá chegar tremulo a ele), mas primeiro entenda que todo evento é indiferente e nada para você, seja do tipo que ele for, estará sob o seu poder fazer o uso correto dele, e isso ninguém pode lhe impedir; então vá com confiança aos deuses, como seus conselheiros, e dali em diante, quando qualquer conselho for dado a você, lembre-se quais conselheiros você considerou, e cujos concelhos você ira negligenciar se não segui-los.

Vá ao adivinho, assim como Sócrates orientou, em casos onde toda a consideração esta relacionada ao evento, e onde nenhuma oportunidade será oferecida através da razão, ou qualquer outra arte, para descobrir o que será apresentado para que possa ser aprendido.

Quando, portanto, é nosso dever dividir o perigo com um amigo ou pelo nosso pais, não devemos consultar o oraculo se iremos dividir o perigo com eles ou não.

Pois, apesar do adivinho nos avisar que as vitimas são inevitáveis, isso significa somente que a morte, a mutilação ou o exílio são previsíveis.

Mas nós temos a razão conosco, e isso nos direcionado, mesmo com todos esses perigos, ao grande adivinho, o deus de Pítia, que expulsa do templo a pessoa que não ajudou a um amigo enquanto outro o matava.

Opinião – trecho longo, que retrata o costume da época do autor em utilizar os concelhos do Oraculo de Delphi, mas já avisando que tudo o que for adivinhado, terá resultados já esperados, então não se deve ir ao oraculo com desejos ou aversões, pois do contrario já teremos uma resposta pronta na cabeça. Trago isso ao s dias de hoje com essa nossa vontade de sempre tentar adivinhar o dia do amanhã, essa pressão de nos pormos um passo a frente, tentando adivinhar por nós mesmos, sem um oraculo ou intervenção divina, o futuro.

Independente do evento que ocorra, é como vamos lidar com ele que o torna bom ou ruim, sim por vezes passaremos por dificuldades mas não devemos deixar nos controlar pela nossa reação a elas. Certas coisas boas ou ruins são simplesmente inevitáveis, assim como também é inevitável o momento seguinte após elas. Acredito então que o que é demonstrado aqui é a lição de que devemos manter nosso foco naquilo que controlamos, ou seja, nossas ações e reações, e estarmos preparados para as coisas boas e ruins, mas sem ficarmos obcecados em sabê-las ou vivenciá-las antes do seu tempo correto.

N.T: tradução minha a partir do texto de Elizabeth Carter disponível em http://classics.mit.edu/Epictetus/epicench.html.
Esse é um trabalho de pratica do meu inglês e também para conhecimento maior da Obra de Epicteto.

Liturgia diária: 25ª Semana do Tempo Comum – Sábado – 30/09/2017

Primeira Leitura: Profecia de Zacarias (Zc 2,5-9.14-15a)

Terceira visão: Só Javé protege – Levantei os olhos e vi um homem com o cordel de medir. Perguntei: “Aonde você vai?” Ele respondeu: “Vou medir Jerusalém, para ver qual é a sua largura e comprimento”. Então o anjo que falava comigo deu um passo à frente, e outro anjo veio ao encontro dele. E aquele disse a este: “Corra, vá dizer àquele moço que Jerusalém deve ficar sem muros, por causa da multidão de homens e animais que ela deverá acolher. Mas eu serei para ela – oráculo de Javé – muralha de fogo ao seu redor e, no meio, eu serei a sua glória”.

Javé está com seu povo – Festeje e fique alegre, filha de Sião, pois eu estou vindo para morar com você – oráculo de Javé. Nesse dia, numerosas nações vão aderir a Javé e passarão a ser o meu povo. Eu virei morar em seu meio.

Opinião – passagem profética, onde a visão demonstra como Deus irá ser nosso protetor e nosso guia em nossas vidas, aqui representados por Jerusalém e seus muros. Quando permitimos nossos corações a aceitarem a verdade de Deus, nossas ações ficam mais corretas, e além da proteção divina dele, também passamos a nos expor a menos riscos, sendo guiados por caminhos mais seguros no nosso dia a dia.

Responsório (Jr 31,10-13)

— O Senhor nos guardará qual pastor a seu rebanho.

O Senhor nos guardará qual pastor a seu rebanho.

— Ouvi, nações, a palavra do Senhor e anunciai-a nas ilhas mais distantes: Quem dispersou Israel, vai congregá-lo, e o guardará qual pastor a seu rebanho!

O Senhor nos guardará qual pastor a seu rebanho.

— Pois, na verdade, o Senhor remiu Jacó e o libertou do poder do prepotente. Voltarão para o monte de Sião, entre brados e cantos de alegria afluirão para as bênçãos do Senhor:

O Senhor nos guardará qual pastor a seu rebanho.

— Então a virgem dançará alegremente, também o jovem e o velho exultarão; mudarei em alegria o seu luto, serei consolo e conforto após a guerra.

O Senhor nos guardará qual pastor a seu rebanho.

Opinião – Esse trecho de Jeremias apresentado em forma de responsório reforça a ideia de proteção do Senhor em nossas vidas, importante notar que mesmo quando coisas ruins aconteceram conosco, ainda sim a presença de Deus nos trará traça após esses momentos difíceis.

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas (Lc 9,43b-45)

Todos ficaram admirados com a grandeza de Deus. O povo estava admirado com tudo o que Jesus fazia. Então Jesus disse aos discípulos: “Prestem atenção ao que eu vou dizer: o Filho do Homem vai ser entregue na mão dos homens.” Mas os discípulos não compreendiam o que Jesus dizia. Isso estava escondido a eles, para que não entendessem. E tinham medo de fazer perguntas sobre o assunto.

Opinião – Jesus já preparava os discípulos para as dificuldades que eles enfrentariam, pois sabia que elas são uma parte da vida. Ele também pedia ao Pai orientações de como enfrentar as dificuldades, mesmo com todo o conhecimento e poder que Ele possuía. A nós também é reservada uma parte de dificuldades, devemos estar preparados para enfrentar elas, superá-las, sempre tendo como guia, como luz para o nosso caminho, o exemplo de Jesus, o Conhecimento da Palavra de Deus como base para nosso desenvolvimento.

A homilia de hoje do Padre Roger Araújo expande essa questão de não perguntarmos e procurarmos eliminar nossas duvidas do reino de Deus, selecionamos aquilo que nos interessa delas e preferimos ‘esquecer’ aquilo que não achamos ser correto para nós. Não devemos ser assim se realmente queremos ter uma vida plena e correta: devemos fazer aquilo que sabemos ser certo, que por preguiça, influencia do mundo deixamos de lado. Devemos seguir o exemplo de Jesus e seus mandamentos em tudo, para que assim a mudança comece em nós e espalhe por toda a comunidade.

Um bom sábado a todos.

Textos leituras: Bíblia Sagrada – edição Pastoral – Editora Paulus 1990, 65º impressão
Disponível em: http://www.paulus.com.br/biblia-pastoral/_INDEX.HTM

Salmo: Canção nova. Disponível em http://liturgia.cancaonova.com/liturgia/25a-semana-tempo-comum-sabado/?sDia=30&sMes=09&sAno=2017

Manual de Epicteto – Enchiridion – 31

XXXI. Tenha certeza que a parte principal da devoção aos deuses é formar as opiniões corretas sobre eles, tais como que eles governam o universo com bondade e justiça.

E fixe-se nessa definição, para obedecer a eles, e entregar a eles, e voluntariamente seguir eles em todos os eventos, assim gerado a partir do mais perfeito entendimento

Pois assim você jamais encontrará falhas nos deuses, nem acusará eles de negligenciarem você.

E não é possível para isso ser efetivo de nenhuma outra maneira do que afastando-se de coisas que não estejam sob o seu controle, e colocando a bondade ou o mal naquelas que estão.

Pois se você supor que qualquer coisa que não esteja sob o seu próprio controle possa ser boa ou ruim, quando você ficar desapontado com aquilo que deseja, ou acontecer aquilo que você evita, você necessariamente deve encontrar o problema com isso e culpar os autores.

Pois todo animal é naturalmente concebido para evitar e abominar as coisas que parecem agressivas, e as causas delas; e procurar e admirar aquelas que parecem ser benéficas, e as causas delas.

É inviável, portanto, que alguém que presuma estar ferido fique contente com a pessoa que, assim ele pensa, tenha o machucado, assim como é impossível ficar feliz com o ferimento em si.

Assim, também, um pai é insultado por um filho, quando ele não compartilha para ele as coisas que ele considera boas; e o império supostamente bom fez com que Polinices e Etéocles inimigos mútuos.

Nesses quesitos o marido, o marinheiro, o mercador, nesses quesitos aqueles que perdem esposas e filhos, injuriam os deuses.

Pois onde há interesse, há também devoção.

Então, qualquer um que seja cuidado em regular seus desejos e suas aversões conforme ele desejar, é, através dos mesmos meios, cuidadoso com a devoção também.

Mas também é um incumbência de todos oferecer drinques e sacrifícios e os primeiros frutos, conforme as tradições de seu pais, com pureza, e não de uma maneira desleixada ou negligenciada, nem frugalmente, nem além de suas habilidades.

Opinião – trecho longo, pesado e até de difícil compreensão e tradução, mas acredito que seja uma lembrança que a devoção que temos a santos, deuses, figuras queridas pode evitar de verbos as verdades sobre a pessoa, ou até sobre nós mesmos. Controlar nossas ações e emoções é a base do Estoicismo, temos também de tomar cuidado para que nossa ‘fé’ ou devoção a alguém ou a algo não elimine os progressos que obtemos quando aprendemos mais sobre nós mesmos e controlamos tudo aquilo que esta sob nosso controle.

N.T: tradução minha a partir do texto de Elizabeth Carter disponível em http://classics.mit.edu/Epictetus/epicench.html.
Esse é um trabalho de pratica do meu inglês e também para conhecimento maior da Obra de Epicteto.

Liturgia diária: 25ª Semana do Tempo Comum – Quinta-feira – 28/09/2017

Primeira Leitura: Profecia de Ageu (Ag 1,1-8)

No primeiro dia do sexto mês do segundo ano do reinado de Dario, a palavra de Deus foi dirigida, por meio do profeta Ageu, ao governador da Judéia, Zorobabel, filho de Salatiel, e ao chefe dos sacerdotes, Josué, filho de Josedec.

Novo centro para a comunidade – Assim diz Javé dos exércitos: Esse povo anda dizendo que ainda não chegou a hora de reconstruir o Templo de Javé. E Javé dirigiu a palavra por meio do profeta Ageu: Então vocês acham que é tempo de morar tranqüilos em casas bem cobertas, enquanto o Templo está em ruínas? Ora, assim diz Javé dos exércitos: Reflitam bem no comportamento de vocês. Vocês estão plantando muito e colhendo pouco; comem e não ficam satisfeitos; bebem e não ficam embriagados; vestem roupa, mas não esquentam o corpo; e o trabalhador está guardando o seu salário numa sacola furada. Assim diz Javé dos exércitos: Reflitam bem no comportamento de vocês. Subam à montanha para cortar madeira e construir o Templo. Eu vou gostar dele e nele manifestarei a minha glória – diz Javé.

Opinião – passagem histórica onde acredito haver uma mensagem clara onde conquistar coisas externas não é tão importante quanto as coisas internas: o Templo de Javé é nossa consciência, nossas vidas, então de nada adianta termos nossos bens materiais exteriores quando o nosso maior bem, nossa vida, não estiver valorizado e completo.

Salmo Responsório (Sl 149)

— O Senhor ama seu povo de verdade.

O Senhor ama seu povo de verdade.

— Cantai ao Senhor Deus um canto novo, e o seu louvor na assembleia dos fiéis! Alegre-se Israel em quem o fez, e Sião se rejubile no seu Rei!

O Senhor ama seu povo de verdade.

— Com danças glorifiquem o seu nome, toquem harpa e tambor em sua honra! Porque, de fato, o Senhor ama seu povo e coroa com vitória os seus humildes.

O Senhor ama seu povo de verdade.

— Exultem os fiéis por sua glória, e cantando se levantem de seus leitos; com louvores do Senhor em sua boca; eis a glória para todos os seus santos.

O Senhor ama seu povo de verdade.

Opinião – salmo de louvor ao Senhor, por tudo de bom que ele faz em nossas vidas.

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas (Lc 9,7-9)

Jesus começa a inquietar –O governador Herodes ouviu falar de tudo o que estava acontecendo, e ficou sem saber o que pensar, porque alguns diziam que João Batista tinha ressuscitado dos mortos; outros diziam que Elias tinha aparecido; outros ainda, que um dos antigos profetas tinha ressuscitado. Então Herodes disse: “Eu mandei degolar João. Quem é esse homem, sobre quem ouço falar essas coisas?” E queria ver Jesus.

Opinião – nesse trecho fica claro o impacto que Jesus teve sob a sociedade: apesar de só pregar a Palavra de Deus e basicamente ensinar as pessoas a serem boas umas com as outras, esses ensinamentos já eram suficientes para causar uma mudança que ameaçava os lideres da época, e Jesus mesmo disse que não veio pela paz, mas sim pela mudança da sociedade e das regras e correntes que prendiam ela em um estado onde as diferenças eram impostas e constantes.

O Padre Roger Araújo na homilia de hoje trata sobre o fato de que Herodes somente observou Jesus, viu sua obra, seus ensinamentos mas não deixou que eles mudassem sua vida. O certo é nos não ficarmos só observando Jesus, suas obras, seus milagres, mas sim integrar seus ensinamentos em nossas vidas.

Uma boa noite a todos.

Textos leituras: Bíblia Sagrada – edição Pastoral – Editora Paulus 1990, 65º impressão
Disponível em: http://www.paulus.com.br/biblia-pastoral/_INDEX.HTM

Salmo: Canção nova. Disponível em https://liturgia.cancaonova.com/liturgia/25a-semana-tempo-comum-quinta-feira/?sDia=28&sMes=09&sAno=2017

Liturgia diária: 25ª Semana do Tempo Comum – Terça-feira – 26/09/2017

Primeira Leitura: Livro de Esdras (Esd 6,7-8.12b.14-20)

Naqueles dias, o rei Dario escreveu ao governador do território da outra margem do rio Eufrates: “Deixa que prossigam os trabalhos no templo de Deus. Que o governador de Judá e os anciãos dos judeus edifiquem a casa de Deus no seu lugar.

Também ordenei como se deve proceder com aqueles anciãos dos judeus que constroem aquela casa de Deus: com os bens do rei, deveis reembolsar religiosamente e sem interrupção aqueles homens por tudo o que gastarem. Eu, Dario, dei esta ordem. Que ela seja pontualmente executada!”

E os anciãos dos judeus continuaram a construir, com êxito, de acordo com a profecia de Ageu, o profeta, e de Zacarias, filho de Ado, e puderam terminar a construção conforme a ordem do Deus de Israel e as ordens de Ciro, de Dario e de Artaxerxes, reis da Pérsia. Esta casa de Deus foi concluída no terceiro dia do mês de Adar, no sexto ano do reinado de Dario.

Os filhos de Israel, os sacerdotes, os levitas e o resto dos repatriados, celebraram com alegria a dedicação desta casa de Deus. Ofereceram, para a inauguração desta casa de Deus, cem touros, duzentos carneiros, quatrocentos cordeiros e, como sacrifício pelo pecado de todo o Israel, doze bodes, segundo o número das tribos de Israel.

Estabeleceram também os sacerdotes, segundo suas categorias, e os levitas, segundo suas classes, para o serviço de Deus, em Jerusalém, como está escrito no livro de Moisés.

Os deportados celebraram a Páscoa no dia catorze do primeiro mês. Como todos os levitas se haviam purificado, juntamente com os sacerdotes, estavam puros; e, assim, imolavam a Páscoa para todos os filhos do cativeiro, para os sacerdotes seus irmãos e para eles próprios.

Opinião – passagem bíblica da reconstrução do Templo de Deus em Jerusalém e o impacto na sociedade da época.

Salmo responsório (Sl 121)

— Que alegria, quando me disseram: “Vamos à casa do Senhor!”

— Que alegria, quando me disseram: “Vamos à casa do Senhor!”

— Que alegria, quando ouvi que me disseram: “Vamos à casa do Senhor!” E agora nossos pés já se detêm, Jerusalém, em tuas portas.

— Que alegria, quando me disseram: “Vamos à casa do Senhor!”

— Jerusalém, cidade bem edificada num conjunto harmonioso; para lá sobem as tribos de Israel, as tribos do Senhor.

— Que alegria, quando me disseram: “Vamos à casa do Senhor!”

— Para louvar, segundo a lei de Israel, o nome do Senhor. A sede da justiça lá está e o trono de Davi.

— Que alegria, quando me disseram: “Vamos à casa do Senhor!”

Opinião – salmo para nos lembrar de darmos graças por podermos voltar a Casa de Deus, lembrando que por muito tempo a simples menção de queremos ir até ele era considerada um crime. Que tenhamos fé e estejamos preparados para evitar que esses tempos voltem.

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas (Lc 8,19-21)

Naquele tempo,a mãe e os irmãos de Jesus aproximaram-se, mas não podiam chegar perto dele, por causa da multidão. Então anunciaram a Jesus: “Tua mãe e teus irmãos estão aí fora e querem te ver”. Jesus respondeu: “Minha mãe e meus irmãos são aqueles que ouvem a Palavra de Deus, e a põem em prática”.

Opinião – Jesus veio para quebrar as regras de uma sociedade cabeça dura e com corações de pedra: aqui ele mostra que além dos laços familiares, há também os laços de fé, criando uma família composta por aqueles que seguem a Palavra de Deus.

O Padre Roger Araújo expande essa ideia da Família de Deus estar além dos laços de sangue ou criação na homilia de hoje.

Boa noite a todos.

Textos leituras: Bíblia Sagrada – edição Pastoral – Editora Paulus 1990, 65º impressão
Disponível em: http://www.paulus.com.br/biblia-pastoral/_INDEX.HTM

Salmo: Canção nova. Disponível em http://liturgia.cancaonova.com/liturgia/25a-semana-tempo-comum-terca-feira/?sDia=26&sMes=09&sAno=2017

Manual de Epicteto – Enchiridion – 30

XXX. Tarefas são universalmente medidas pelas relações.

Alguém é pai aqui? Se sim, é implicado que as crianças devem cuidar dele, submeter-se a ele em todas as coisas, pacientemente ouvir suas reprovações, suas correções. Mas ele é um mau pai.Você então seria naturalmente merecedor de um bom pai? Não, somente de um pai.

É um irmão injusto? Então, mantenha sua própria situação perante a ele.Considere não o que ele faz, mas o que você esta fazendo para manter a sua capacidade de escolha em um estado confortável perante a natureza.

Pois ninguém ira lhe machucar a não ser que você permita. Você será ferido quando você imaginar-se ferido. Desta maneira, portanto, você ira encontrar a partir da ideia de um vizinho, de um cidadão, um general, as tarefas correspondentes delegadas a você para contemplar vários relacionamentos.

Opinião – muitas vezes deixamos nossos relacionamentos com outros ditarem nossas ações, nossas escolhas, não para agradar a nós mesmos, mas para agradar os outros, e isso por vezes nos machuca. Não precisamos nos machucar, pois é nossa reação a ação deles que nos torna machucados ou não, se vivermos nossas vidas corretamente, procurando a nossa felicidade e evitando compromissos estabelecidos simplesmente pela sociedade com os quais não concordamos, não iremos nos machucar e viveremos muito mais contentes e realizados.

N.T: tradução minha a partir do texto de Elizabeth Carter disponível em http://classics.mit.edu/Epictetus/epicench.html.
Esse é um trabalho de pratica do meu inglês e também para conhecimento maior da Obra de Epicteto.

Liturgia Diária: 25ª Semana do Tempo Comum – Segunda-feira – 25/09/2017

Primeira Leitura: Livro de Esdras (Esd 1,1-6)

O renascimento da esperança – No primeiro ano de reinado de Ciro, rei da Pérsia, Javé, cumprindo o que tinha dito pelo profeta Jeremias, despertou a consciência de Ciro, rei da Pérsia, que proclamou por todo o império, a viva voz e por escrito, o seguinte: “Ciro, rei da Pérsia, decreta: Javé, o Deus do céu, entregou-me todos os reinos do mundo. Ele me encarregou de construir para ele um Templo em Jerusalém, na terra de Judá. Quem de vocês provém do povo dele? Que o seu Deus esteja com ele. Volte para Jerusalém, na terra de Judá, para reconstruir o Templo de Javé, o Deus de Israel. Ele é o Deus que reside em Jerusalém. Todos os sobreviventes, de todo lugar para onde tiverem imigrado, receberão da população local prata e ouro, bens e animais, além de ofertas espontâneas para o Templo de Deus, que está em Jerusalém.”

Então todos os que se sentiram movidos por Deus – chefes de família de Judá e Benjamin, sacerdotes e levitas – puseram-se a caminho para reconstruir o Templo de Javé em Jerusalém. Os vizinhos lhes deram de tudo: prata e ouro, bens, animais e joias, além de ofertas espontâneas.

Opinião – passagem histórica, sobre o retorno do povo dos judeus para sua terra natal após anos em outros lugares. Demonstra a organização da comunidade novamente.

Salmo Responsório (Sl 125)

– Maravilhas fez conosco o Senhor!

Maravilhas fez conosco o Senhor!

– Quando o Senhor reconduziu nossos cativos, parecíamos sonhar; encheu-se de sorriso nossa boca, nossos lábios de canções.

Maravilhas fez conosco o Senhor!

– Entre os gentios se dizia: “Maravilhas fez com eles o Senhor!” Sim, maravilhas fez conosco o Senhor, exultemos de alegria.

Maravilhas fez conosco o Senhor!

– Mudai a nossa sorte, ó Senhor, como torrentes no deserto. Os que lançam as sementes entre lágrimas, ceifarão com alegria.

Maravilhas fez conosco o Senhor!

– Chorando de tristeza sairão, espalhando suas sementes; cantando de alegria voltarão, carregando os seus feixes!

Maravilhas fez conosco o Senhor!

Opinião – salmo de exaltação e agradecimento por todas as coisas boas que o Senhor Deus faz em nossas vidas, por vezes sofremos, passamos por dificuldades, mas estas nos tornam mais fortes, e se na ida sofremos, na volta colhemos os frutos do nosso desenvolvimento.

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas (Lc 8,16-18)

Ouvir e agir – “Ninguém acende uma lâmpada para cobri-la com uma vasilha ou colocá-la debaixo da cama. Ele a coloca no candeeiro, a fim de que todos os que entram vejam a luz. De fato, tudo o que está escondido deverá tornar-se manifesto; e tudo o que está em segredo deverá tornar-se conhecido e claramente manifesto. Portanto, prestem atenção como vocês ouvem: para quem tem alguma coisa, será dado ainda mais; para aquele que não tem, será tirado até mesmo o que ele pensa ter.”

Opinião – que nossas ações e intenções sejam claras e diretas, que não fiquemos escondemos nossos pensamentos e escolhas. Sejamos sinceros e transparentes, sempre guiados pela Luz divina do Conhecimento de Deus.

A homilia de hoje, criada pelo Padre Roger Araújo, justamente trata da importância de que nossas ações sejam claras: iluminadas por Deus, que nossos corações se encham de luz e que a escuridão dos pensamentos e ações mundanas seja eliminada de nossas vidas.

Uma boa noite a todos

Textos leituras: Bíblia Sagrada – edição Pastoral – Editora Paulus 1990, 65º impressão
Disponível em: http://www.paulus.com.br/biblia-pastoral/_INDEX.HTM

Salmo: Canção nova. Disponível em https://liturgia.cancaonova.com/liturgia/25a-semana-tempo-comum-segunda-feira/?sDia=25&sMes=09&sAno=2017

Manual de Epicteto – Enchiridion – 29

XXIX. 29. Em toda questão considere o que vem antes e o que virá depois, e então tome a decisão de fazer ou não. Do contrario você ira começar com vontade; mas não tendo pensado nas consequências, quando algumas delas aparecerem você irá vergonhosamente desistir. “Eu venceria nas Olimpíadas”. Mas considere o que vem antes e depois, e ai sim, se for algo vantajoso para você, foque na questão.Você precisa seguir as regras, se submeter a uma dieta, evitar guloseimas; exercitar seu corpo, você querendo ou não, em uma determinada hora, no frio e no calor; você não deve beber agua gelada, e nem vinho.

Em poucas palavras, você deve entregar-se ao seu treinador, como a um médico.

Então, no combate, você pode ser jogado em uma valeta, ter seu braço deslocado, torcer seu tornozelo, engolir pó, ser chicoteado, e, depois de tudo, ainda não conquistar a vitória.

Quando você analisar tudo isso, se suas intenções ainda estiverem de pé, então vá a luta.

Do contrario, preste atenção, você irá se comportar como as crianças que as vezes imitam os lutadores, outras vezes os gladiadores, algumas vezes tocam o trompete, e algumas vezes encenam tragédias que eles tenham assistido e admirado estes espetáculos.

Portanto você também será em alguma vez um lutador, em outra vez um gladiador, agora um filosofo, depois um orador; mas no total da sua alma, não será nada.

Assim como um macaco, você imita tudo o que vê, claro que uma coisa após a outra deve dar prazer a você, mas se tornam vazias assim que você se acostuma com elas.

Pois você nunca entrou em algo com total consciência, não tendo visto a questão por todos os ângulos, ou estudo ela a fundo, mas rapidamente, e com uma vontade gelada.

Portanto alguns, quando eles virem um filosofo e ouvirem um homem falar como Eufrates (mas, realmente, quem consegue falar como ele?), terão um desejo de serem filósofos também.

Considere primeiro, homem, qual é a questão, e qual o seu limite natural de aguentar a mesma. Se você fosse um lutador, considere seus ombros, suas costas, suas coxas; pois pessoas diferentes são feitas para coisas diferentes.

Você acha que pode agir como você age, e ser um filosofo?

Que você pode comer e beber, e ficar zangado e descontente como você é agora?

Você deve observar, você deve trabalhar, você tem que conseguir o melhor de certas coisas, deve abandonar seus conhecidos, ser desprezado pelo seu empregado, ser motivo de risos daqueles que você encontra; ser pior que os outros em tudo, no magistrado, nas honras, nas cortes.

Quando você tiver considerado todas as essas coisas, aproxime-se, se você quiser; se, por ter uma mente partilhada com eles, você procurar a apatia, a liberdade, a tranquilidade. Se não, não venha aqui; não seja, como as crianças, um pouco filosofo, depois um político, depois um orador e então um dos oficiais de Cesar.

Essas coisas não são consistentes. Você deve ser um homem, ou bom ou ruim. Você deve cultivar as suas próprias decisões ou influencias externas, e se aplicar a coisas interiores ou exteriores suas, é isso, ou seja um filosofo, ou seja um dos vulgares.

Opinião – trecho enorme, com diversos exemplos, mas com uma mensagem direta: antes de entrarmos em qualquer empreitada nossa, devemos pensar no antes, no durante e no depois, para não fazermos nada com má vontade, não começarmos algo e largarmos pelo caminho pois ‘enjoamos’ disso. Devemos ser energéticos e íntegros do inicio ao fim em nossas empreitadas, e para isso devemos visualizar o ciclo completo delas: inicio, meio e fim.

N.T: tradução minha a partir do texto de Elizabeth Carter disponível em http://classics.mit.edu/Epictetus/epicench.html.
Esse é um trabalho de pratica do meu inglês e também para conhecimento maior da Obra de Epicteto.

Liturgia Diária: 25º Domingo do Tempo Comum – 24/09/2017

Primeira Leitura: Livro do Profeta Isaías (Is 55,6-9)

Procurem Javé – Procurem Javé enquanto ele se deixa encontrar, chamem por ele quanto está perto. Que o injusto deixe o seu caminho e o homem maldoso mude os seus projetos. Cada um volte para Javé ele terá compaixão, volte para o nosso Deus, pois ele perdoa com generosidade.

Os meus projetos não são os projetos de vocês, e os caminhos de vocês não são os meus caminhos – oráculo de Javé. Tanto quanto o céu esta acima da terra, assim os meus caminhos estão acima dos caminhos de vocês, e os meus projetos estão acima dos seus projetos.

Opinião – passagem que expressa que ao mudarmos, aceitarmos nossos pecados e de coração desejarmos seguir o Caminho da Sabedoria de Deus, seremos aceitos, e em seguida é afirmado que o projeto de Deus, os seus caminho, são superiores os caminhos e projetos mundanos que muitas vezes nossas mentes ficam desperdiçando tempo e recursos.

Salmo Responsório (Sl 144)

– O Senhor está perto da pessoa que o invoca!

O Senhor está perto da pessoa que o invoca!

– Todos os dias haverei de bendizer-vos, hei de louvar o vosso nome para sempre. Grande é o Senhor e muito digno de louvores, e ninguém pode medir sua grandeza.

O Senhor está perto da pessoa que o invoca!

– Misericórdia e piedade é o Senhor, ele é amor, é paciência, é compaixão. O Senhor é muito bom para com todos, sua ternura abraça toda criatura.

O Senhor está perto da pessoa que o invoca!

– É justo o Senhor em seus caminhos, é santo em toda obra que ele faz. Ele está perto da pessoa que o invoca, de todo aquele que o invoca lealmente.

O Senhor está perto da pessoa que o invoca!

Opinião – salmo que relembra a bondade de Deus, nosso Senhor, e que ele sempre estará próximo de nós quando o invocarmos, seja para pedir proteção, orientação ou agradecer por nossos frutos de nossos trabalhos.

Segunda Leitura: Carta de São Paulo aos Filipenses: (Fl1,20c-24.27a)

O que desejo e espero é não fracassar, mas, agora como sempre, manifestar com toda a coragem a glória de Cristo em meu corpo, tanto na vida, como na morte. Pois para mim o viver é Cristo e o morrer é lucro. Mas se eu ainda continuar vivendo, poderei fazer algum trabalho útil. Por isso é que não sei bem o que escolher. Fico n indecisão: meu desejo é parti dessa vida e estar com Cristo, e isso é muito melhor. No entanto, por causa de vocês, é mais necessário que eu continue a viver. Uma só coisa importa: comportem-se como pessoas dignas do Evangelho de Cristo.

Opinião – vivendo em uma época de perseguições constantes, morrer já seria mais fácil para Paulo pois ai ele estaria ao lado de Jesus, o grande mestre e tudo estaria bem. Mas ele sabe que ele ainda tem que viver mais, a dádiva da vida ainda não acabou para ele, então ele decide fazer algo útil com seu tempo: espalhar o Conhecimento de Deus.

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus (Mt 20,1-16a)

O Reino é dom gratuito – “De fato, o Reino do Céu é como um patrão, que saiu de madrugada para contratar trabalhadores para a sua vinha. Combinou com os trabalhadores uma moeda de prata por dia, e os mandou para a vinha. às nove horas da manhã, o patrão saiu de novo. Viu outros que estavam desocupados na praça, e lhes disse: ‘Vão vocês também para a minha vinha. Eu lhes pagarei o que for justo.’ E eles foram. O patrão saiu de novo ao meio-dia e às três horas da tarde, e fez a mesma coisa. Saindo outra vez pelas cinco horas da tarde, encontrou outros que estavam na praça, e lhes disse:’ Por que vocês estão aí o dia inteiro desocupados?’ Eles responderam: ‘Porque ninguém nos contratou.’ O patrão lhes disse: ‘Vão vocês também para a minha vinha’. Quando chegou a tarde, o patrão disse ao administrador: ‘Chame os trabalhadores e pague uma diária a todos. Comece pelos últimos, e termine pelos primeiros’. Chegaram aqueles que tinham sido contratados pelas cinco da tarde, e cada um recebeu uma moeda de prata. Em seguida chegaram os que foram contratados primeiro, e pensavam que iam receber mais. No entanto, cada um deles também recebeu uma moeda de prata. Ao receberam o pagamento, começaram a resmungar contra o patrão: ‘Esses últimos trabalharam uma hora só, e tu os igualaste a nós, que suportamos o cansaço e o calor do dia inteiro!’ E o padrão disse a um deles: ‘Amigo, eu não fui injusto com você. Não combinamos uma moeda de prata? Tome o que é seu e volte para casa. Eu quero dar também a esse, que foi contratado por último, o mesmo que dei a você. Por acaso não tenho o direito de fazer o que eu quero com aquilo que me pertence? Ou você está com ciúme porque estou sendo generoso?’ Assim, os últimos serão os primeiros, e os primeiros serão os últimos.”

Opinião – passagem difícil de entender se nós basearmos no conceito atual e mundano de valor e merecimento. Não seria justo remunerar alguém por seu trabalho com o mesmo valor que outra pessoa que trabalhou na mesma função por muito menos tempo com o mesmo valor. Mas não é esse o caso aqui: aqui Jesus compara com essa historia o fato de que o Reino do Céu é um dom, um presente que Deus dá a aqueles que vivem a vida inteira sob suas regras e também para aqueles que enxergam e aceitam o Conhecimento da Palavra de Deus em seus últimos dias.

A homilia de hoje trabalha justamente nesse quesito de ser ‘justo’ ou injusto, e a inveja que vem junto disso quando começamos a querer julgar os atos e pessoas. Não devemos deixar nossas mentes e corações irem por esse caminho, devemos prosperar, ajudar o próximo e não ficarmos discutindo se eles são merecedores ou não dos frutos de seus trabalhos.

Um bom domingo a todos.

Textos leituras: Bíblia Sagrada – edição Pastoral – Editora Paulus 1990, 65º impressão
Disponível em: http://www.paulus.com.br/biblia-pastoral/_INDEX.HTM

Salmo: Canção nova. Disponível em https://liturgia.cancaonova.com/liturgia/25o-domingo-tempo-comum/?sDia=24&sMes=09&sAno=2017

Manual de Epicteto – Enchiridion – 28

XXVIII. Se uma pessoa desse o seu corpo para qualquer estranho que ela encontra-se em seu caminho, você com certeza ficaria irritado. Mas você não envergonha-se ao entregar a sua mente a confusão e desordem quando qualquer um ataca verbalmente você?

Opinião – as vezes somos controlados por outras pessoas, através da manipulação de nossos sentimentos, nossas reações, de uma maneira agressiva contra nós, porém não nos defendemos da mesma maneira que nos defenderíamos se alguém tenta-se controlar o nosso corpo. Devemos proteger nossa mente, nossas reações assim como protegemos nossa integridade física: não devemos deixar que ataques externos ou nossos derrubem agente.

N.T: tradução minha a partir do texto de Elizabeth Carter disponível em http://classics.mit.edu/Epictetus/epicench.html.
Esse é um trabalho de pratica do meu inglês e também para conhecimento maior da Obra de Epicteto.